Segunda, 05 Março 2018 11:29

Sindeletro conclama trabalhadores terceirizados para se mobilizarem contra a tentativa dos patrões de retirar direitos Destaque

A diretoria do Sindicato dos Eletricitários do Ceará (Sindeletro) está mobilizando os(as) trabalhadores(as) das empresas terceirizadas do setor elétrico do Ceará para que criem um movimento de resistência e pressão contra as tentativas do patronato de impor perda salarial para a categoria e a retirada de benefícios da nova Convenção Coletiva de Trabalho (CCT 2018/2020).

Na manhã desta segunda-feira (05/03), o presidente do Sindeletro, Cesário Macêdo, e o diretor da entidade, Geraldo Sales, estiveram reunidos com empregados da empresa Dínamo do município de Itapipoca para inteirar a base sobre os rumos da negociação da CCT e discutir formas de mobilização da categoria diante das dificuldades encontradas na negociação da nova CCT.

Cesário Macêdo afirma que o momento é de extrema gravidade e que os trabalhadores terceirizados devem estar prontos para reagir, sob pena de não conseguirem evitar perdas no próximo acordo. “Está na hora de fazermos um movimento mais forte. Estamos propondo um dia de manifestação dos trabalhadores terceirizados para mostrar ao patrão que não vamos permitir a retirada de direitos. Os trabalhadores devem demonstrar força e unidade neste momento”, conclama.

Até agora, o Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia) tem dado provas do total desrespeito com os(as) trabalhadores(as) das empresas terceirizadas. O primeiro golpe foi a recusa em renovar as cláusulas da atual CCT 2016-2018 enquanto durarem as negociações do novo acordo.

Na última rodada de negociação, o sindicato patronal também propôs apenas 1,69% de reajuste linear correspondente a 90% do INPC no período de fevereiro de 2017 a janeiro de 2018. Para o ano de 2019, o percentual seria o mesmo. O mesmo percentual foi proposto para os reajustes do cartão refeição e das despesas com viagens.

O patronato ainda se nega a incluir no novo acordo a cláusula sobre Participação nos Resultados, embora as empresas do setor continuem tendo bons lucros enquanto seus trabalhadores sofrem com o achatamento de seus salários. Outro ataque aos direitos dos terceirizados é a recusa das empresas em calcularem o valor da periculosidade sobre a remuneração. Os patrões estão calculando a periculosidade sobre o salário base, o que representa perdas para a categoria.

Na estratégia de retirar direitos de seus empregados, o Sindienergia propôs ainda alterar a cláusula que trata sobre a obrigatoriedade de as homologações de contrato serem feitas no Sindeletro. Na proposta apresentada, o sindicato patronal quer exigir que nesses casos, o Sindeletro dê plena, total e irrevogável quitação do contrato de trabalho, sem qualquer tipo de ressalva. Isso desrespeita fatalmente o direito do(a) trabalhador(a) de questionar judicialmente qualquer pendência em relação a sua demissão. A próxima reunião de negociação entre o Sindeletro e o Sindienergia ficou agendada para o dia 22 de março.

Veja o quadro abaixo com os valores propostos pela empresa:

CARGO

SALARIO-2017

PROPOSTA DOS PATRÕES PARA 2018

AUMENTO

Administrativos

R$ 1.136,25

R$ 1.155,45

R$ 19,20

Eletricistas

R$ 1.344,55

R$ 1.367,27

R$ 22,72

Eletricistas Linha Viva (1,17 x Eletricista)

R$ 1.573,13

R$ 1.599,72

R$ 26,59

Montador

R$ 1.344,55

R$ 1.367,27

R$ 22,72

Leituristas

R$ 1.145,71

R$ 1.165,07

R$ 19,36

Motoristas Operador de Guindauto

R$ 1.344,55

R$ 1.367,27

R$ 22,72

Técnicos de Segurança

R$ 1.836,54

R$ 1.867,58

R$ 31,04

Eletrotécnico

R$ 2.127,40

R$ 2.163,35

R$ 35,95



Trabalhadores da empresa Dínamo de Itapipoca são informados sobre os rumos da negociação da nova CCT 2018/2020

Trabalhadores da empresa se filiam ao Sindeletro para reforçar a luta contra as tentativas do patronato de retirar direitos 

Compartilhe

Voltar

Vídeo