Terça, 24 Maio 2016 18:40

CCT 2016/2018: Propostas avançam, mas ainda estão longe das necessidades dos eletricitários

Hoje ocorreu mais uma rodada de negociação entre Sindeletro e Sindienergia. Desta vez, os representantes das empresas ofereceram reajuste de 12% no piso salarial para 2016, o que representa ganho real de 0,7%, calculado a partir do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Ou seja, o piso salarial de eletricista, por exemplo, passaria a ser de R$ 1.265,34, o que corresponde a 1,437 do salário mínimo atual. Já para 2017, os patrões apresentaram proposta de reajuste de 105% do INPC.

As empresas também realizaram proposta de reajuste de 8,5% (75% do INPC) para os empregados que ganham acima do piso, além de gratificação de 15% para os trabalhadores de linha viva. O vale refeição também seria corrigido a partir do INPC e passaria a ser R$ 12,20. Os patrões também mantêm a intenção de calcular o adicional de periculosidade apenas sobre o salário base, e não mais sobre toda a remuneração, desrespeitando a Súmula 191 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e prejudicando o trabalhador.

Por conta das últimas mobilizações, o Sindeletro considera que as negociações avançaram em relação às reuniões anteriores, mas ainda não atendem as necessidades da categoria. O piso salarial atual dos eletricistas corresponde a 1,434 salários mínimos do ano passado. Ou seja, com a proposta da empresa, a categoria não evoluiria em relação ao salário mínimo. Além disso, a entidade jamais aceitaria mudanças no cálculo da periculosidade.

O Sindicato ressalta que a meta é fazer o piso salarial chegar a dois salários mínimos. Para isso, a categoria precisa evoluir a cada convenção coletiva, e não ficar estagnada. Mesmo com ganho real, é preciso defender um piso salarial que corresponda a, pelo menos, 1,45 salários mínimos. Nesse sentido, o Sindeletro lançou as seguintes contrapropostas: reajuste de 12,94% no piso salarial para 2016 e de 130% do INPC para 2017; gratificação de 20% para trabalhadores de linha viva; reajuste correspondente ao INPC (11,3%) para os salários acima do piso; e vale refeição de R$ 13,50 em 2016 e de R$ 15,00 em 2017.

Neste momento, é extremamente importante que os trabalhadores participem das mobilizações de maneira ativa. A categoria não pode retroceder nos direitos. No dia 21 de junho, está marcada mediação na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE). Antes disso, será agendada nova reunião de negociação entre Sindeletro e representantes patronais. Não podemos descansar!

 

Compartilhe

Voltar

Vídeo